O meu filho não quer comer... ou a história das birras à mesa!

29.7.14





Ontem, num post que coloquei no Facebook, começou-se a falar sobre as birras à mesa e como uma refeição pode tornar-se num pesadelo.

Em tempos coloquei no blogue uma questão aos pais de crianças que comem mal. A questão foi ‘Como é que tu eras para comer, em criança?’ Para surpresa de alguns pais, a resposta foi mesmo ‘era igual’… o que fazia com que se aceitasse, mais facilmente, esta natureza dos miúdos. Comem pouco mas têm energia para dar e vender!

Seja como for, fui repescar alguns dos posts que escrevi sobre o assunto, ao longo destes tempos de Mum’s the boss. Fico muito feliz por ver que o blogue se está a tornar num pequeno motor de busca – este é um dos meus objectivos! Ainda tenho de catalogar melhor as etiquetas mas se quiseres saber sobre algum tema, coloca a palavra no motor de busca logo no header e encontra o que procuras. Não encontrando, escreve-me!
Textos que encontras daqui para a frente:
O meu filho não quer comer - I
O meu filho não quer comer - II
O palato educa-se [Clavel's Cook]
Todos eles foram cortados a meio para que não ficasse um post demasiado longo. Para continuares a ler, é só clicares no link que vais ver em cada um deles.

Convido-te também a ler este artigo que saiu na revista Pais e Filhos. A Jornalista com quem trabalhei tinha uma situação menos fácil com o filho, a propósito deste assunto. Com algumas sessões de Coaching e Aconselhamento Parental, chegámos lá! Foi um trabalho muito interessante e com resultados muito positivos! Espreita!



O MEU FILHO NÃO QUER COMER I
“O comer e o coçar vai do começar”, já lá diz o povo! E ainda assim, muitos pais e muitas mães sofrem com o facto de os seus little ones não comerem ou comerem pouco.

Torno a dizer: como em quase tudo, não há dicas perfeitas, fórmulas mágicas ou até truques! Mas há ideias que se podem experimentar, há bom senso e há persistencia e bom humor. E normalmente, estes três ingredientes juntos resultam muito bem.

É curioso notar que há temas no ‘Ask Mum’ que vêm por fases. Todos os dias há questões sobre birras mas há um ou outro tema que é recorrente em determinadas alturas. Desta vez é o do ‘comer’.

Vou ser franca – li pouco sobre este assunto para citar autores. O que aqui vais ler são ideias que normalmente sugiro nos meus workshops e aos leitores que me escrevem. Sei que há livros interessantes. Já ouvi falar muito bem no do Dr. Estivill, o mesmo médico que dá nome ao método para dormir mas nem sequer tive com o livro nas mãos muito tempo.

Abaixo deixo-te algumas ideias que podes explorar e que te permitirão também (assim o desejo) teres a possibilidade de criares as tuas próprias dicas e estratégias,adaptando-as à criança que tens à tua frente.
Ler mais, aqui



O MEU FILHO NÃO QUER COMER II
Em menos de 24h, quatro mães falaram-me/escreveram a propósito dos filhos que não gostam de comer. Pediram-me dicas e truques.

Já aqui tinha escrito sobre o assunto - valerá a pena (re)ler.
Também me refiro muitas vezes a um livro: O método Estívil da Alimentação. AQUI um resumo do livro, em espanhol.

Mas hoje gostava muito que mães que:

1) Têm filhos que comiam/continuam a comer mal, partilhem as suas próprias dicas
2) Têm filhos já grandes mas que passaram por isto quando eram mais pequenos.
3) Comiam mal/não gostavam de comer em pequenas - o que é que sentiam nessa altura, porque é que não comiam.
4) Ele não come. E se for a natureza dele? Do que é que tens receio?

Acho que a resposta a estas quatro questões acima pode ajudar, e muito, quem tem filhos que são do tipo 'mais olhos que barriga'.
Ler mais, aqui




Este texto foi escrito peça minha querida amiga Maria João Clavel, que admiro imenso. E dou-lhe o máximo de razão: o palato educa-se mesmo. Ora lê!

O PALATO EDUCA-SE
Hoje o post tem um cariz diferente. Não deixo de trazer uma receita, mas trago, também, uma reflexão muito íntima. Isto surgiu com um convite irrecusável, a doce Magda do Mum's The Boss, desafiou-me a fazer um guest post acerca da educação. A Magda sabe que tenho uma filha pequena e que me interesso muito por artigos sobre educação. Mas escrever é diferente. Não sou uma escritora exímia e o meu blog é, essencialmente, de partilha de receitas. Então, como cumprir com os requisitos pedidos? Resolvi escrever sobre o que penso sobre educação alimentar.

Pois bem, antes de começar gostaria que tivessem em atenção que este é um texto de opinião, que não é nenhum estudo científico e que eu não me sinto superior a ninguém, nem acho que saiba mais do que o resto das mães/pais. Mas tenho uma vantagem, dou workshops de culinária a crianças e houve casos recorrentes onde me baseio nas afirmações que irei proferir, mais adiante no texto.

Ler mais, aqui


1 comentário:

  1. Já lá vai o tempo em que stressava com a comida e o leite! O meu filho sempre foi de comer bem, mas havia fases em que não queria comer nada. Usei vários truques: sopas diferentes (por ex. beterraba e maçã), misturar umas colheres da sopa no arroz ou massa, fiz sopas com um ou dois legumes apenas. Tentava que comesse sempre, pelo menos, um bocadinho, mas havia dias que nem uma colher entrava e ao fim de dois ou três dias assim decidia dar-lhe um dia de "descanso" e nem lhe apresentava sopa. Foi numa semana de "descomplicações" que fizémos, em que comprei a sopa feita do supermercado, que percebi que ele era o oposto de mim: não gosta de cremes, mas de sopas cheias de bocados grandes de vegetais, como o pai.
    Outro truque que uso muito, principalmente no Verão, é dar-lhe menos sopa e dar mais legumes no 2º prato. Ele gosta muito de legumes aos bocados pequenos, por isso cozo, salteio ou asso legumes e junto-lhe no prato de carne ou peixe. Saladas frias com: feijão frade, feijão verde, batata, cenoura, azeitona, ovo cozido, milho, tomate, pimento (por exemplo), fazem as delicias cá de casa. O peixe cozido é sempre acompanhado de uma panela grande cheia de legumes (e não fica nenhum no prato para amostra).
    Aqui em casa, enquanto preparo o almoço ou jantar e o miúdo me vem pedir comida, não lhe dou bolachas, chocolates ou outras guloseimas, dou-lhe dos legumes ou fruta que esteja a preparar e muitas vezes ele acaba de pé na cadeira, ao meu lado, a roubar-me a comida "aos magotes"! Por vezes, antes do jantar estar pronto, já comeu os legumes de uma sopa... Outras vezes não quer comer a fruta dele, mas se lhe puser a minha saladeira de fruta à frente, é capaz de me comer metade do almoço! Ou então, junto-a no prato principal: uma salada com alface, milho, azeitonas, cebola roxa, passas, maçã, massa fusili e um bife grelhado. Marcha tudo que é uma maravilha! Ou pêssego, morango, abacaxi, pêra e outras frutas, também entram bem noutras saladas. Outra sugestão são os batidos e os gelados de fruta (é apenas necessário triturar, na hora, fruta congelada. Sem açúcar.). Fruta boa, fresca, saborosa e num formato que eles adoram!

    Acho que o maior conselho, a maior dica que se pode dar aos pais de filhos "difíceis para comer" é: dêem o exemplo!

    Com o nascimento do meu filho, nasceu também uma preocupação maior com a alimentação, e o que acho mais curioso é que tenho vindo a descobrir que quanto mais saudável é a alimentação, mais saborosa é, e o miúdo parece concordar comigo.
    É diferente uma criança que vê os pais comerem um prato cheio de bróculos com regularidade e uma que é sempre a única a comer legumes em casa.

    Beijinhos *
    E espero que os pais com filhos "difíceis de comer" aprendam a perceber o que eles gostam e que consigam ter mais sucesso.
    E lembrem-se, que eles também enjoam, e não é por uma ou duas refeições sem comer sopa ou legumes que ficam doentes.

    ResponderEliminar

Obrigada por leres e por comentares!
Todos os comentários são bem-vindos excepto os que 'berram alto'...Esses são, naturalmente, eliminados!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share