O grande segredo para se ser melhor mãe

15.4.14
Todas nós queremos ser melhores mães. Já sabemos que mães perfeitas não existem e que até possivelmente seriam uma grande seca. Mas melhores podemos sê-lo sempre.
 
Nos últimos tempos tenho escrito imenso sobre a questão do vínculo. O vínculo é a qualidade da relação que estabelecemos com os nossos filhos e é com base nessa relação (e na sua qualidade) que influenciamos os mais pequenos. Para o melhor e para o pior, dependendo da qualidade dessa relação.

A maior parte dos autores vê então o vínculo como O grande truque, A grande dica. Eu estou de acordo que é uma das mais importantes, sim.
Mas, do meu ponto de vista, podes ter e dominar bem todas as dicas. Caso não estejas bem tu, nada tem impacto. Nada mesmo. Se estiveres em situação de 'burnout' parental, esquece. Já não podes ver os teus filhos à frente, já lhes gritas por tudo e por nada. Esquece, nada feito. Todas as técnicas que possas usar não serão eficazes porque, em menos de nada, e por causa do cansaço acumulado, por causa das noites sem dormir, por causa de não teres tempo de qualidade para ti, salta-te logo a tampa. É ou não é?


Sabes, por algum motivo, a primeira regra da Educação e da Parentalidade Positiva é 'Pais Felizes, Filhos Felizes'.

A culpa judaico-cristã, que nos trama muito, impede-nos muitas vezes de fazermos por nós. Um exemplo é quando os nossos maridos nos dizem que vão ao futebol. Avisam em cima da hora e lá vão, felizes, como se nada os pudesse impedir. E é que não impede mesmo. Mas no dia em que eles nos dizem 'olha, sim, vai lá sair que eu fico com os miúdos', algumas vezes não fomos. Não fomos por motivo nenhum importante, apenas por causa da dita culpa judaico-cristã, apenas porque talvez nos tenha passado pela cabeça, ainda que por um momento muito pequenino, que não eramos merecedoras.

Está na hora de começar a abrir o olho.
Esta é uma verdade inevitável - e vale a pena relembrá-la: o tempo passa a correr. Nunca vamos ter tempo para tudo. Pensa no que é importante para ti. E se estás em situação de 'burnout' parental, então please pára. E pede ajuda: vai dormir para a casa de uma amiga, oferece-te uma noite num hotel. Pelo menos uma vez concede-te um mimo... :) E depois aí sim, terás condições para berrares mais baixinho e para gerires a tropa toda lá de casa.

By the way, o novo desafio Berra-me baixo começa já no mês que vem. Para participares e caso ainda não o tenhas feito, inscreve-te aqui.

As novas edições dos workshops de Lisboa estão aqui. Dia 18 de Maio. Inscreve-te!

1 comentário:

  1. Nunca tinha pensado nisso. Sei que se estou mais cansada a coisa não corre bem e é tudo corrido a toque de caixa, mas burnout? Confesso que na minha ignorância era coisa mais relacionada com o trabalho. E sim a culpa é mesmo uma coisa tramada. Nany

    ResponderEliminar

Obrigada por leres e por comentares!
Todos os comentários são bem-vindos excepto os que 'berram alto'...Esses são, naturalmente, eliminados!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share