Dúvidas existenciais de uma mãe com prioridade...

24.8.12



Ser mãe pela segunda vez faz, ao que parece, que desvalorizemos uma série de questões. Tal como a Cacomae disse num dos últimos posts, até a introdução de certas comidas é feita mais cedo e aqueles cuidados exagerados com as chuchas parecem dar lugar a uma maior serenidade.

Estou convencida que tem muito a ver com as aprendizagens que fizemos, com o facto de já sabermos como que é tratar de um filho e perceber que o mundo não termina amanhã (espero eu!!!). Por outro lado, temos um acumulado de cansaço maior e temos outra criatura a quem dar atenção!Tornamo-nos, quer queiramos quer não, muito mais práticas!

Ainda assim, esta minha amiga confessava-me que, embora tenha sido sempre muito acarinhada durante a gravidez e nesta fase em que o pequenino tem pouco mais que um mês, fica completamente irritada quando lhe dizem que 'Ah, então como estão a correr as férias?'
'Férias, diz ela? Quais férias? Acordo quase todas as horas de noite para amamentar e mudar fraldas, de dia tenho de tomar conta de dois e nem consigo dormitar um pouco. Férias??? Onde?'

E confessou-me também que fica desnorteada quando vai ao supermercado e pede para usar a prioridade nas filas onde isso existe. Já em grávida olhavam para ela de lado ou, pura e simplesmente fingiam que não a viam. Agora, com o bebé no carrinho, acham que ela tem de esperar, como toda a gente, embora ali diga, claramente, prioridade a grávidas, mães com filhos de/ao colo, idosos ou pessoas portadoras de deficiência.

Sinceramente, eu também fico chateada mas sempre que precisei avancei e fiz uso da minha prioridade, sem ter de me explicar.

Porque o que me chateia é que as pessoas vejam e façam de conta que não viram. Quer parecer-me que é uma questão de educação e de princípios. 

Aliás, muitas vezes me pergunto se essas filas não deveriam ser filas exclusivas e não apenas prioritárias. Acabava-se logo com confusões...

Quanto ao estar de férias... enfim, acho que é mesmo uma crença estúpida que as pessoas têm. A Socorro sou mãe, na entrevista que lhe fiz aqui diz mesmo que Portugal não respeita a maternidade. Temos melhores leis que em muitos países, temos uma série de serviços extraordinários mas depois parece que ficam pontas soltas quer em flexibilidade de horários quer na mentalidade...



4 comentários:

  1. Como eu me revi neste post com a chegada do 2º filho tudo muda novamente mas para excesso de trabalho,os horarios mudam hábitos mudam, férias? nem sei que é isso não sei o que é ter tempo para mim muito menos para descançar ,bjinhos

    ResponderEliminar
  2. hhahahah Tal e qual! Tudo parece mais fácil nas questões práticas, embora o trabalho triplique em vez de dobrar! lol

    Quanto à prioridade, foram raras as vezes que usei a prioridade sem ter de ouvir um bufar ou uma boca. As pessoas são muito mal educadas!
    Uma vez fui a correr ao supermercado e nem cesto apanhei, levei as coisas nas mãos, ou melhor, em cima da barriga que já estava gigante! Quando cheguei à caixa, a senhora da caixa mandou-me passar à frente e a estúpida que estava à minha frente diz: Quer dizer, está boa para carregar, mas não está boa para esperar???
    Apeteceu-me atirar-lhe com um pacote de leite à cabeça!

    ResponderEliminar
  3. Que querida...referes-te à Cacoma adoro aparecer aqui, ja tinha dito uma vez e continuo a dizer...gosto mesmo!
    As filas e tanta coisa que não respeitam nem gravidas nem bébes pequeninos...e sabes que o mais grave a maior parte das vezes por comodismo dos outros e o seu unico bem estar.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Trata-se de ter ou não educação e quem não tem, desrespeita todos inclusive as grávidas.
    Quanto a férias quem tem filhos sabe que as férias são sinónimo de aventura radical, de cabelos em pé, nervos em franja e muita muita alegria.
    Bj

    ResponderEliminar

Obrigada por leres e por comentares!
Todos os comentários são bem-vindos excepto os que 'berram alto'...Esses são, naturalmente, eliminados!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share