11 Aprender a falhar e falhar a aprender _ Semana 11 - Projecto Even Happier 52

13.3.12



Ousar é perder momentaneamente o pé. Não ousar, é perder-se a si mesmo.

Soren Kierkegaard



Quando evito problemas e fujo das dificuldades, estou a enviar-me uma mensagem que diz ‘és uma incapaz!’ e a minha auto-estima e confiança... catrapum pum pum!, descem a pique!
Pelo contrário, quando me ponho de ‘armas e bagagens’ e preparo-me para os desafios que tenho, ou imagino ter à minha frente, a dita auto-estima e confiança... upa upa, disparam bem lá para cima!


Mas, paradoxalmente, quando confio em mim, quando sei que sou auto-eficaz e quando tenho estima por mim, um problema pode bem melhorar a auto-imagem que faço de mim. Giro, hein? Porque na verdade, deixamos de dar poder a esse bicho papão, com a segurança que temos em nós próprios. Queres um exemplo? Durante uma semana andei a adiar a realização de um projecto, lá na empresa. Achei que aquilo era demasiado complicado, que não ia conseguir fazer e que ia dar muito trabalho. A data limite aproximou-se e pronto, tive de me render às evidências e tratar do assunto. Percebi que era muito mais fácil e muito mais rápido do que aquilo que tinha imaginado. Consequência? A noção que eu tinha destas minhas capacidades teve um upgrade brutal! E o que é que aconteceu? Ora nem mais: peguei e no dia a seguir ‘dei cabo’ de todas as tarefas semelhantes que tinha para fazer, com uma noção muito boa sobre a minha competência neste tipo de assuntos. 

O nosso amigo Tal Ben Shahar diz que a única forma de assumirmos o fiasco é atirarmo-nos a ele directamente! E eu acho que ele diz muito bem! Porque quanto mais depressa o fazemos, mais rapidamente temos capacidade e tempo para prepararmos um plano B e C e, quem sabe, até aumentarmos a noção sobre a nossa própria auto-eficácia!

Exercício:
1                  1) O Tal Ben-Shahar adora diários, listas e papéis. Eu? Gosto bem menos! Vai daí, torna a pedir-nos, esta semana, para mantermos (ou criarmos) um diário dos nossos fiascos. Diz ele que isto faz sentido porque percebemos melhor onde erramos, aprofundamos melhor o nosso auto-conhecimento e entramos num outro nível de desenvolvimento pessoal – o de evoluir com os erros. Eu, que aprendi umas coisas sobre PNL – Programação Neuro-Linguística – acredito que o foco nas coisas negativas nos faz esquecer das boas. Por isso, sugiro que quando fizeres esse exercício, procures ver o que é que já fazes diferente, no sentido de não voltares a cometer esse erro. Nada? Não fazes nada diferente? Pronto! Então este exercício é mesmo para ti! E eu? Eu aprendi na semana passada que não vale a pena adiar, com o exemplo que te dei acima! Aprendi mesmo que é bem melhor comer o ‘sapo gordo’ logo de manhã – é uma expressão inglesa que diz para fazeres o que tens mesmo de fazer antes de tudo o resto. E, de facto, tenho feito dele, o meu mantra matinal – a minha noção de auto-eficácia aumentou imenso!
2                    
                   2) Estás grat@ pelo quê? Eu? Pela magnífica entrevista que a Dra. Laura me deu aqui no blogue. A sério, é fantástica! Tenho muita pena que tenha tido pouquíssimos comentários. Foi das melhores conversas que tive na minha vida, um momento verdadeiramente ‘Aha!’! Tenho uma profunda admiração pelo trabalho dela e estou grata por a ter conhecido e por ter  aprendido tanto com ela.

2 comentários:

  1. Esta tem sido desde sempre a minha postura na vida. Enfrentar, enfrentar, enfrentar, doa a quem doer e quase sempre me doí muito mais a mim.

    http://amanhecertardiamente.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Isto da prontidão (em vez da preguiça) é uma luta diária!

    Obrigada por mais uma semana do PEH! :) *

    ResponderEliminar

Obrigada por leres e por comentares!
Todos os comentários são bem-vindos excepto os que 'berram alto'...Esses são, naturalmente, eliminados!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share